segunda-feira, 8 de setembro de 2008

[Livro] Sobrevivi para Contar

Esse livro segue a mesma linha de "muito longe de casa", ou seja, é a auto-biografia de uma pessoa comum que se vê repentinamente lutando pela sobrevivência na África contemporânea. O interessante é que tais genocídios, verdadeiros holocaustos, continuam se sucedendo sem que se desperte nenhuma reação, ou mesmo interesse, no mundo "ocidental civilizado". Aparentemente, essas vidas não possuem importância em virtude de seu reduzido valor econômico.

Muito longe de casa trata da guerra civil em Serra Leoa, na visão do adolescente Ishmael Beah, que é recrutado como menino-soldado, vivendo todo o horor da guerra. O conflito mal era noticiado e não houve auxílio da ONU. Resultado final: a luta durou 10 anos, morreram 5,4 milhões de pessoas e só terminou com a intervenção do exército do Congo. 

Por sua vez, "Sobrevivi para contar" conta a história de Immaculée Ilibagiza, uma jovem que passou nada menos que 100 dias escondida num banheiro minúsculo com outras 6 mulheres para escapar do genocídio de sua minoria étnica em Ruanda no ano de 1994. Não houve nenhuma resposta da ONU, nenhuma intervenção ou qualquer auxílio externo. Resultado: o extermínio de cerca de 1 milhão de pessoas da minoria tutsi (80% dessa população) pela maioria hutu. Tal conflito é retratato com primazia no filme Hotel Ruanda (2004). O conflito somente é encerrado quando exilados tutsis (exilados durante a fuga em massa do último genocídio) invadem o país, a partir de Uganda, e derrubam o governo hutu que conduzia o genocídio. Por falar nisso, a salvação vem da mesma Uganda de Idi Amin (conhecido pelas alcunhas de "açougueiro de Kampala" e "senhor do horror", com seus hábitos de comer carne humana...), retratado de forma ultra-light em O último Rei da Escócia (2007).

Qualquer semelhança entre os conflitos pode não ser mera coincidência! Ambos os livros são  importantes por trazerem a pauta um problema que simplemente não se discute. Afinal, o genocídio nos conflitos citados superam o total de mortos do holocausto judeu na segunda guerra. As atrocidades praticados na "Mama África", para qualquer instabilidade política, evidenciam uma tendência de indiferença e pervesidade da raça humana. A receita é muito simples: instabilidade política (ausência de um processo democrático consolidado), pouca educação e falta de recursos econômicos. Os ingredientes são poucos, mas a receita mostra o pior da humanidade, principalmente se aliados a questões raciais. Neste cenário, facilmente surgem grupos ursupando o poder para expropriação de riquezas, e fazendo isso as custas de extermínios. Perceba que não existe uma razão para o problema ser exclusivamente africano: isso aconteceria da mesma forma nos países de primeiro mundo se as mesmas condições estivessem presentes. Uma evidência clara disso é a total indiferença a tais genocídios. Ou seja, os mesmos podem ser aceitos com surpreendente naturalidade (i.e. desde que não existam interesses econômicos em contrário). Triste mas verdadeiro!

Quando li muito longe de casa, o livro me tocou pela linguagem simples, direta e tocantemente honesta. Sem ideologias, floreamentos ou eufemismos: apenas a realidade. Esse não é o caso de sobrevivi para contar. A tocante história de sobrevivência, e seu relevante contexto histórico, são postos em segundo plano para dar lugar a um discurso religioso. Em diversos momentos, percebe-se claramente que sua narrativa é forçada para convergir às convicções religiosas da autora, no que beira a pregação pura e simples. Em certos momentos parece muito um livro de auto-ajuda de baixa qualidade. No entanto, em se tendo a boa vontade de relevar tais aspectos e de se concentrar na história em segundo plano, percebe-se que o livro consiste de um relato fabuloso de uma sobrevivente. Uma história a ser conhecida e disseminada como um alerta a todos.

Embora não tenha lido pessoalmente, outras fontes de informação são o livro "Gostaríamos de informá-lo de que amanhã seremos mortos com nossas famílias" de Philip Gourevitch (também disponível em edição de bolso) e os documentários Ghosts of Rwanda (2004) e Shake Hands with the Devil: The Journey of Roméo Dallaire (2004).

6 comentários:

Campo de Possibilidades disse...

Oi. Depois de uma olhada nestas frases. Aí vão duas, para dar o gostinho:

"Só a flor decaída é verdadeira flor, disse um japonês. Estou tentado a falar o mesmo da civilização."

"Provérbio chinês: “Quando um só cão põe-se a ladrar para uma sombra, dez mil cães tomam-na como realidade”. A colocar em epígrafe em qualquer comentário acerca das ideologias."

http://traducoesgratuitas.blogspot.com/2008/04/emil-cioran-esboos-de-vertigem.html

Abração.

Jorge Albuquerque disse...

Cara, isso era para fazer algum sentido? Porque pra mim não fez absolutamente nenhum...

Se você ficou ofendido porque eu li um livro, e achei que ele ficaria melhor se atendo no fato (talvez o fato seja importante, afinal foi um massacre) em vez de falar de religião, você REALMENTE TEM UM GRANDE PROBLEMA: CHAMA-SE INTOLERÂNCIA RELIGIOSA.

Vamos colocar pratos limpos: EU NÃO SOU RELIGIOSO, NUNCA FUI E NUNCA VOU SER. Isso é fato! Não está aberto a discussão. Agora vamos as implicações morais de você achar isso errado! Se você não consegue respeitar isso, você esta sendo maniqueísta (ou seja: ou esta com voce ou está errado), anti-ecumênico (nao aceita o direito de fé dos outros) e por que não preconceituso (somente os iguais a voce devem ter espaço em sua vida)?

Portanto, não é preciso pensar muito para perceber que ISSO NÃO É CAMINHO DO BEM!!!!!

REVEJA SEUS VALORES!

Eu estou sempre refletindo sobre os meus. Por exemplo: se eu fosse falar o que eu realmente acho sobre religiões e seus seguidores em geral, você REALMENTE TERIA razões para ficar ofendido. Mas eu tenho absoluto respeito pela sua crença e tenho por certo que é seu direito. Como deve ser!

Finalmente, leia o livro: realmente ocorrem coisas impossíveis, ou pelo menos muito forçadas, na narrativa, e fica evidente uma pregação de terceira categoria...

Campo de Possibilidades disse...

Fortal!!! Cara, eu só deixei o endereço do blog acima porque achei, como se diz, legal. Não tive a menor, repito, a menor intenção de sugerir ou deixar de sugerir NADA. Fazia algum tempo que não entrava no seu blog, entrei e resolvi deixar um endereço que achei muito bacana, e só. Eu não sou mais o Paulão de indiretas. Se eu quiser dizer algo, direi abertamente. Relaxa, fio. Abração.

Jorge Albuquerque disse...

Paulão! Realmente me desculpe a extrema indelicadeza (pra não dizer grosseria truculenta mesmo!). Eu realmente achei que você estivesse dando indiretas com as citações e referências (que por sinal, não devo ter entendido...). Realmente me desculpe! Você sabe que te admiro muito e te tenho muita estima...

Bem... Pelo menos o livro que estou lendo agora não tem nada haver com a África... Se chama moist e não tem outro fim senão divertir...

Campo de Possibilidades disse...

Fortal!

Cara, bom receber recado seu. Uma dica de algo muito bom. O famoso desenhista, Robert Crumb, lançou Genesis. É o texto integral do Genesis da bíblia King James em quadrinhos. Muito, muito bom (embora com ressalvas...) O desenhista passou 4 anos estudando o Genesis, apesar de não ser cristão. Acho que valeu. Abraço amigo.

june disse...

Boa noite, gostaria de saber se podemos trocar de emails que me poderiam informar sobre o sindrome asperger? Deixo aqui o contacto caso esteja interessado em ajudar-me agradecida..
Jaci